Trader, As Principais notícias para essa terça feira

25 jul 2017

Principais manchetes do dia

Brasil

·          O índice de confiança do consumidor desacelerou de 82,3 em junho para 82 em julho, o segundo mês consecutivo de queda. O índice que avalia a situação corrente passou de 70,1 em junho para 69,7 em julho, e o que computa as expectativas para os próximos seis meses passou de 91,7 em junho para 91,4 em julho. Não houve mudanças abruptas, mas o índice pode consolidar uma tendência dada insatisfação dos consumidores tanto com o cenário atual quanto à falta de perspectiva de melhora.

·         Nada mais previsto na agenda de indicadores. Entre os eventos, hoje é o primeiro dia da reunião de política monetária do Banco Central, a decisão será divulgada amanhã após o fechamento dos mercados, por volta das 18h00. Conforme comentamos ontem, é praticamente unânime a aposta no corte de 1 ponto percentual, levando a taxa de juros para 9,25%, a forte desaceleração da inflação, as expectativas ancoradas e o arrefecimento além do esperado para atividade econômica seguem como argumentos para extensão do ciclo. A CM Capital projetou corte de 0,75 ponto percentual ponderando a paralisia da reforma da previdência e futuras pressões sobre a inflação, diante a expectativa de nova elevação de impostos no último trimestre, o governo deve recorrer à CIDE para cumprir a meta do déficit, e tem a bandeira vermelha que provavelmente será adotada a partir de agosto, devido a ausência de chuva no mês de julho.

·         As dificuldades em administrar os gastos do governo não são novidade, o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, antecipou em entrevista ao Valor Econômico que o  governo está preparando um Programa de Demissão Voluntária (PDV) para servidores públicos federais, que será implementado através de medida provisória. O gasto com funcionalismo público perde apenas para a Previdência. O ministro comentou que é possível imagina uma economia de até R$ 1 bilhão por ano, e lembrou que no último PDV realizado no governo Fernando Henrique, cerca de 5 mil servidores aderiram, o que hoje representa 1% dos 500 mil servidores ativos. A previsão é que a adesão do programa seja permitida ainda este ano, mas os efeitos financeiros serão vistos em 2018, em agosto o governo deve incorporar a medida na proposta de Orçamento.

·         Na esfera corporativa, destaque para o balanço do Pão de Açúcar após o fechamento e para o início das negociações das ações da Biotoscana na B3. Na quinta-feira (27), previsão de fluxo de capital estrangeiro com os IPOs do IRB Brasil e Ômega.

Estados Unidos

·         A S&P divulga o índice de preços de residências às 10h00, estimado em 0,3% MoM e 5,80% em maio, e tem Confiança do Consumidor pelo Conference Board às 11h00, cuja expectativa é queda de 118,9 em junho para 116,5 em julho.

Europa

·         A notícia na Europa hoje é a volta da Grécia ao mercado de bonds. O país emitiu hoje uma leva de títulos com vencimento de 5 anos, e, no momento, conseguiu um yield de 4,75%, abaixo do nível de 2014, quando havia emitido pela última vez. O Comissário Europeu, Pierre Moscovici se pronunciou, de forma otimista, a respeito da operação, se declarando confiante de que o país conseguirá cumprir suas obrigações dentro do bailout até 2018, mas alertou que é preciso se ater a elas.

·         Na agenda econômica, tivemos índices de confiança IFO na Alemanha, melhores do que o esperado, apresentando expansão em julho, ao invés de redução, o que era esperado para todos. O índice de Expectativas passou de 106,8 para 107,3 pontos, o de Avaliação da Situação Atual passou de 124,2 para 125,4 e o Business Climate passou de 115,2 para 116.

·         Os pedidos à indústria da Itália variaram 4,3% MoM em maio, levando o YoY a 13,7%, mais um dado positivo no Bloco. As vendas Industriais também tiveram bom desempenho, com alta de 1,5% MoM e 7,6% YoY. Além disso, os dados de abril foram revisados para cima.

Reino Unido

·         No Reino Unido, saiu a sondagem da indústria de julho da CBI, em 10 pontos, pior do que a medição de junho (16) e do que a expectativa (11). Mesmo assim, o trimestre terminado em julho foi o melhor deste período desde 1995. Em comparação com 3 meses atrás, hoje 5% mais empresas estão mais otimistas, 31% reportaram estar produzindo mais, 18% reportaram estarem empregando mais funcionários e o aumento nos pedidos teria sido de 19% para dentro do Reino Unido e de 17% para exportação.

Mercados e Commodities

·         Os investidores do mercado asiático seguem atentos às incertezas quanto à aprovação das propostas do presidente dos EUA, Donald Trump, e também na expectativa pela reunião do Federal Reserve. Os mercados fecharam sem direção definida, Tóquio caiu 0,1%, ainda que o iene tenha desvalorizado 0,25% frente ao dólar, Shanghai recuou 0,21%, Hong Kong subiu 0,02% e Seul perdeu 0,47%.

·         Os mercados europeus operam no positivo, assim como os futuros de Nova York, Na Europa, o dado de confiança das empresas na Alemanha animou, fora isso os investidores seguem monitorando os balanços.

·         Os contratos futuros do petróleo operam em alta, os primeiros vencimentos do Brent e WTI exibem 1,38% e 1,40%, respectivamente, às 7h43. A commodity ainda reage a declaração do ministro de energia da Arábia Saudita sobre a redução da exportação de petróleo em agosto, e também ao comprometimento da Nigéria em limitar sua produção.

·         A cotação do minério de ferro no porto de Qingdao fechou com alta de 2,39%. O contrato futuro do minério de ferro na China, pelo Dalian Commodity Exchange, subiu 3,24%. O primeiro vencimento do cobre mostrava alta de 2,28%, às 7h44, na London Metal Exchange.

Artigo Relacionado

Share

Edu Moraes
Edu Moraes

error: Content is protected !!