Principais manchetes para essa Sexta Feira

18 ago 2017

Principais manchetes do dia

Brasil

·         O IPC-FIPE da segunda quadrissemana de agosto veio acima dos 0,14% projetado pelo mercado, avançou de 0,04% na primeira semana para 0,22% nesta medição. Entre gos grupos que avançaram, destaque para Habitação, de -0,19% para 0,26%, e Transportes, de 0,66% para 1,41%. Saúde passou de 1,31% para 1,19%, mas segue em patamar elevado pressionando o índice. Alimentação acelerou a deflação de -0,32% para -0,54%, Vestuário passou de 0,04% para -0,07% e Despesas Pessoais segue com deflação de 0,12%.

·         A segunda prévia do IGP-M de agosto veio praticamente em linha com o 0,04% MoM esperado pelo mercado, apontou 0,03% MoM contra -0,71% MoM em julho. Os preços ao consumidor (IPC) aceleraram de 0,04% para 0,36%, acompanhando a alta de Transportes, de -0,48% para 1,70%. Os preços ao produtor (IPA) passaram de -1,14% MoM para -0,14% MoM, os preços agropecuários desaceleraram a deflação de -2,53% para -1,41%, e os preços industriais aceleraram de -0,66% para 0,30%. Entre as principais influências positivas no IPA, estão: minério de ferro (10,49%), óleo diesel (3,08%), aves (3,51%) e café (3,22%). Entre as principais influências negativas: cana-de-açúcar (-2,39%), carne bovina (-3,01%) e feijão (-14,58%). O custo da construção avançou de 0,13% MoM para 0,31% MoM, acompanhando o custo da mão de obra (0,50%).

·         Agenda fraca no restante desta sexta-feira, os investidores mantém alguma cautela devido as dúvidas sobre a aprovação das novas metas fiscais do governo Temer, a votação no Congresso servirá como termômetro para a reforma da Previdência. O texto do Projeto de Lei que altera as metas fiscais de 2017 e 2018 para um déficit de R$ 159 bilhões foi enviado ontem para o Legislativo, onde terá que ser aprovado pela Comissão Mista do Orçamento (CMO) e depois pelo plenário do Congresso. Integrantes da CMO ameaçam obstruir os trabalhos, depois que o governo vetou diversos trechos da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2018, inclusive a íntegra do anexo de prioridades e metas apontadas pelos parlamentares. O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, comentou que poderá haver um acordo com o Congresso para atender às demandas.

Estados Unidos

·         Nada de relevante na agenda de indicadores, às 11h00 a Universidade de Michigan divulgará a prévia do Índice de Confiança do Consumidor em agosto. Na agenda de eventos, às 11h15 tem o discurso do Robert Kaplan (FED de Kansas), ele tem direito a voto no FOMC. Às 14h00, a Baker Hughes divulga os dados de poços e plataformas de petróleo em operação nos EUA.

·         Na mídia, segue como destaque a destituição de conselhos no governo Trump. O governo disse ontem que estava cancelando dois outros conselhos formados por empresários: o conselho da Indústria e o Fórum de Estratégia e Política. Foram três conselhos em uma semana. A debandada de empresários é consequência dos comentários do presidente, culpando “os dois lados” pela violência na manifestação de supremacistas em Charlottesville.

Europa

·         Sem agenda de indicadores relevante, os mercados na Europa respondem aos ataques terroristas em Barcelona, ontem, e em Cambrils, hoje pela manhã. Por lá teve o resultado da Conta Corrente de junho, com superávit de €21,2 bilhões, menor do que o esperado €27,3 bi. Os dados da Construção Civil na Zona do Euro referentes a junho apontaram retração de 0,5% MoM no setor, levando o YoY a uma alta de 3,4%. Por fim, teve o PPI da Alemanha, mais alto que o esperado, +0,2% MoM e +2,3% YoY.

Mercados e Commodities

·         Os mercados asiáticos e do Pacífico fecharam majoritariamente em queda, os investidores mantiveram o posicionamento cauteloso, em meio as preocupações com uma crise política nos EUA, que coloca em “cheque” a capacidade de Trump implementar reformas cruciais, como cortes de impostos e gastos em infraestrutura. Ontem, circularam rumores de que o diretor do Conselho Econômico Nacional, Gary Cohn, teria desistido do cargo, mas foi desmentido pela Casa Branca. Cohn é considerado o principal líder das reformas econômicas da administração republicana e estaria sendo cogitado por Trump para substituir Janet Yellen na presidência do Federal Reserve.

·         Os investidores também monitoram os desdobramentos do ataque terrorista em Barcelona.  No Japão, a queda do Nikkei é consequência da valorização do iene. Em geral, as principais divisas apreciam frente ao dólar. Os mercados europeus operam no negativo, as ações de empresas aéreas são destaque. Os futuros de Nova York ensaiam uma recuperação, mas com a dificuldades de Trump no radar.

·         Os contratos futuros do petróleo operam no positivo, com alta moderada, favorecido pela fraqueza do dólar. Destaque para alta de 6,8% do minério de ferro. Em geral, as commodities são beneficiadas pelo barateamento dos seus preços diante a desvalorização do dólar.

 

 

 

Quer Operar na Bolsa de valores? Clique aqui e conheça o Método EduIndex!

Você que é interessado na Bolsa de Valores, pode também ser um Trader! Clique aqui e baixe o e-Book “Como Iniciar a Vida de Trader”.


Leia também:

-> Edu Moraes é convocado para o Missão Trader Desafio Rússia

-> Missão Trader Desafio Rússia | Conheça os 7 Traders que vão embarcar com o Neto rumo à Rússia

-> Programador conta como transformou R$ 1 mil em R$ 300 mil com day trade e passou a viver da Bolsa

-> EXCLUSIVO: PROFITCHART MOBILE NO MISSÃO TRADER DESAFIO RÚSSIA

-> Deu gain, até debaixo de chuva no Missão Rússia

-> A Hora do Profit Especial – Missão Trader Desafio na Rússia

-> Desafio Rússia: Dinheiro no bolso já no primeiro dia

 -> Quer Operar na Bolsa de valores? Clique aqui e conheça o Método EduIndex!

-> Você que é interessado na Bolsa de Valores, pode também ser um Trader! Clique aqui e baixe o e-Book “Como Iniciar a Vida de Trader”.

Artigo Relacionado

Share

Edu Moraes
Edu Moraes

error: Content is protected !!